Skip links

Que dúvidas tem sobre a COVID-19? Respondemos às suas questões

Nesta altura, com as recomendações da Direção-Geral da Saúde (DGS) e da Organização Mundial de Saúde (OMS), as dúvidas são muitas entre a população. Aqui vamos responder às perguntas mais frequentes, com base nas recomendações e informação confirmada pelas instituições de saúde oficiais.

O que é a COVID-19?

A COVID-19 é a doença provocada pelo novo coronavírus, apelidado de SARS-CoV-2. Foi identificado pela primeira vez em dezembro de 2019, na cidade de Wuhan (China). A fonte de infeção ainda é desconhecida e este novo agente nunca tinha sido detetado em pessoas. Apesar disso, a família dos coronavírus – de que fazem parte os amplamente abordados MERS-CoV (2012) ou o SARS-CoV (2002 e 2003) – é conhecida e sabemos que afeta geralmente o sistema respiratório, podendo ser semelhante a uma gripe.

E quais são os sintomas?

A maioria das pessoas com COVID-19 apresentam sintomas de infeção respiratória aguda ligeiros a moderados. Estes sintomas são:

  • Febre (temperatura superior a 37,5º)
  • Tosse
  • Dificuldade respiratória (falta de ar)

Caso tenha algum destes sintomas, tenha estado em contacto com alguma pessoa com COVID-19 ou tenha regressado há menos de 14 dias de uma área afetada, ligue para o SNS24 – 808 24 24 24. A chamada para a linha SNS24 é gratuita.

Já sabemos como se transmite a doença?

A COVID-19 transmite-se através de um contacto próximo com pessoas infetadas, ou superfícies e objetos contaminados, daí que seja de extrema importância seguir as recomendações de higiene e segurança da DGS e da OMS.

Esta doença transmite-se através de gotículas libertadas pelo nariz ou boca quando tossimos e espirramos, podendo atingir quem estiver próximo. As gotículas podem também alojar-se nos objetos ou superfícies que rodeiam a pessoa infetada.

Tendo por base esta transmissão facilitada, deve:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabão
  • Tossir ou espirrar para o braço com o cotovelo fletido
  • Usar lenços de papel de utilização única para se assoar
  • Limpar os objetos de uso quotidiano com desinfetante, como telemóveis, computadores ou maçanetas de portas

Se tiver sintomas devo ir ao hospital?

Não. É contraproducente. Pode-se colocar em risco ao contactar com outros doentes e, caso tenha COVID-19, vai colocar os outros utentes em risco.

Se esteve perto de alguém com COVID-19 e tem sintomas (febre, tosse, dificuldade em respirar) deve ligar para o SNS24 – 808 24 24 24 – e seguir as orientações dadas. Além disso, deve manter o distanciamento social (evitar estar próximo de pessoas) durante 14 dias.

As restantes pessoas que tiveram contacto com um possível doente com COVID-19, mas não têm sintomas, devem manter o distanciamento social durante 14 dias e medir a temperatura duas vezes por dia.

Qual é o período de incubação?

O período de incubação da doença, ou seja, o espaço de tempo entre a exposição ao vírus e o aparecimento de sintomas, está estimado entre 2 e 14 dias.

Contudo, a transmissão por pessoas sem qualquer sintoma ainda está a ser investigada, devendo-se promover o distanciamento social (evite espaços com muita gente, mantenha uma distância de pelo menos um metro com outras pessoas, não partilhe objetos pessoais, lave as mãos e superfícies regularmente).

Já existem vacinas, medicamentos ou terapias que possam prevenir ou curar a COVID-19?

Não existe nenhum tipo de vacina, medicamento ou terapia para prevenir ou curar a COVID-19. A OMS e a DGS não recomendam qualquer tipo de automedicação, incluindo antibióticos (são dirigidos a bactérias, não tendo qualquer efeito em vírus).

O tratamento existente atualmente dirige-se aos sintomas, não sendo recomendados anti-inflamatórios como ibuprofeno ou cortisona por poderem ser um fator de agravamento da infeção.

Quem está em maior risco?

As pessoas em maior risco de doença grave devido à COVID-19 são os idosos e pessoas crónicas (por exemplo: doenças cardíacas, diabetes e doenças pulmonares).

Recomenda-se o isolamento em casa para estes grupos, devendo também ser prestado o apoio por familiares ou vizinhos no que respeita às saídas necessárias (compras de alimentação ou farmácia, por exemplo).

Devo usar máscara para me proteger do COVID-19?

A máscara não é indicada para proteção individual.

As únicas situações em que será utilizada uma máscara individual são em casos de suspeitos de infeção por COVID-19 ou em prestadores de cuidados de saúde a suspeitos de infeção.

O uso de máscara não é recomendado pela DGS para pessoas sem sintomas. O uso incorreto da máscara aumenta o risco de infeção por má colocação ou devido ao contacto evitável das mãos com a cara.

É perigoso receber encomendas de uma área onde a COVID-19 foi reportada?

Não. A probabilidade de uma pessoa infetada contaminar algum bem comercial é baixa e o risco de contágio de uma encomenda que foi transportada, viajou e exposta a diferentes temperaturas e condições é também reduzida.

Os animais domésticos podem transmitir a COVID-19?

Não há evidência até ao momento que os animais domésticos, como cães e gatos, possam transmitir COVID-19. No entanto, para prevenir possíveis transmissões, recomenda-se a limpeza das mãos frequentemente.

Tinha uma viagem marcada. Devo cancelar?

A OMS não indicou nenhuma restrição nas viagens, comércio ou produtos. No entanto, nas áreas com transmissão comunitária ativa em que o risco de contágio é elevado, deve-se evitar a deslocação.

Pode acompanhar toda a informação disponibilizada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, caso pretenda viajar:

 

Se tiver mais dúvidas sobre a COVID-19, visite a nossa página de Apoio ao Utente e faça as suas questões.